18 Expressões que quase todo mundo fala errado

Existem diversas expressões e construções frásicas que são usadas no dia a dia de forma errada pela grande maioria dos falantes. Conhecer essas expressões erradas é uma boa forma de tentar evitar a sua utilização.

“Para mim fazer”

A forma correta é para eu fazer. Quando o pronome pessoal assumir a função de sujeito, sendo seguido por um verbo no infinitivo, deverá ser usado um pronome pessoal reto (eu).

  • O professor deu muitos trabalhos para eu fazer.
  • Aquele quebra-cabeça é para eu fazer nas férias.

Apenas deverá ser usado um pronome pessoal oblíquo (mim) quando a expressão tiver a função de objeto indireto.

  • Ele enviou uma carta para mim.
  • Você pode ler este papel para mim?

“Entre tu e eu”

A forma correta é entre mim e ti. Com a preposição entre, deverão ser usados pronomes pessoais do caso oblíquo (mim e ti), estando errado o uso de pronomes pessoais do caso reto (eu e tu) com essa preposição.

  • Esta situação deverá ser decidida apenas entre mim e ti.
  • Acabou toda a amizade que havia entre ti e mim.

“Se eu por, se eu ver, se eu manter”

As formas corretas são se eu puser, se eu vir, se eu mantiver. As construções se eu… e quando eu… implicam o uso do futuro do subjuntivo e não do infinitivo. Indicam o desejo ou a possibilidade de que algo aconteça no futuro. Embora o futuro do subjuntivo e o infinitivo pessoal sejam equivalentes nos verbos regulares, tal não acontece em vários verbos irregulares, apresentando formas verbais diferentes nesses dois tempos verbais.

  • Fico com dores nos ombros se eu puser os braços para cima.
  • Se eu vir minha vizinha na rua, dou o seu recado.
  • O que você fará se eu mantiver a minha decisão?

“Pode vim, vai vim, deve vim”

As formas corretas são pode vir, vai vir, deve vir. As locuções verbais são formadas por um verbo auxiliar (pode, vai, deve) e por um verbo principal (vir). Apenas os verbos auxiliares podem ser flexionados em pessoa, número, tempo e modo. Os verbos principais apenas aparecem conjugados no infinitivo, particípio ou gerúndio.

  • Pode vir aqui, por favor?
  • Será que ele vai vir já amanhã?
  • Minha mãe deve vir de avião.

“Nós vai, nós quer, nós tem”

As formas corretas são nós vamos, nós queremos, nós temos. Com o pronome pessoal reto nós, o verbo deverá ser conjugado na 1.ª pessoa do plural. 

  • Nós vamos sair com os amigos do colégio.
  • Nós queremos apenas saber a verdade.
  • Nós temos pouca comida em casa.

Também estão erradas as construções a gente vamos, a gente queremos e a gente temos, uma vez que com a locução a gente, o verbo deverá ser conjugado na 3.ª pessoa do singular. O correto é a gente vai, a gente quer e a gente tem.

“Eu vi ele, eu ouvi ele, eu chamei ele”

As formas corretas são: eu o vi, eu o ouvi, eu o chamei ou eu vi-o, eu ouvi-o, eu chamei-o. Nas expressões erradas, o pronome ele atua como objeto direto, complementando verbos transitivos diretos. Assim, não deverá ser usado o pronome pessoal reto ele, mas um pronome pessoal oblíquo átono relativo à 3.ª pessoa do singular que assuma a função de objeto direto: o, a.

  • Eu não o vi na escola hoje de manhã.
  • Eu o ouvi chamando por mim no meio da multidão.
  • Eu chamei-o de chato porque ele implicou comigo.

“Ele ti ama, ele mim ama, ele ti vê, ele mim vê”

As formas corretas são: ele te ama, ele me ama, ele te vê, ele me vê ou ele ama-te, ele ama-me, ele vê-te, ele vê-me. Esta errado o uso dos pronomes oblíquos tônicos mim e ti porque eles assumem a função de objeto indireto, sendo precedidos de preposições. Como o verbo amar e o verbo ver são transitivos diretos, deverão ser acompanhados de pronomes oblíquos átonos, que assumem a função de objeto direto: me, te, se, o, a, nos, vos, os, as.

  • Será que ele me ama?
  • É claro que ele te ama!
  • Ele te vê todos os dias. Não é suficiente?
  • Por mais que eu me esforce, ele não me vê.

“Nada haver”

A forma correta é nada a ver. Essa expressão é usada para indicar que duas ou mais coisas não estão relacionadas, que uma coisa não corresponde ou diz respeito a outra.

  • Eu não tenho nada a ver com esse assunto.
  • Isso que você está falando não tem nada a ver!

“Meio-dia e meio”

A forma correta é meio-dia e meia. O numeral meia sofre flexão em gênero para concordar com o substantivo feminino hora, uma vez que essa expressão indica a décima segunda hora do dia - o meio-dia, mais meia hora.

  • Já é meio-dia e meia?
  • Estarei em sua casa ao meio-dia e meia.

“Ela mesmo fez”

A forma correta é ela mesma fez. Embora com alguns sentidos a palavra mesmo seja invariável, no caso em questão aceita flexão em gênero e número, concordando com o sujeito gramatical. Isso acontece porque a palavra mesmo atua como um adjetivo, reforçando que se trata da pessoa referida através do pronome.

  • Ela mesma solucionou o problema.
  • Ela mesma veio a sua procura.

“Fazem dois anos”

A forma correta é faz dois anos. Quando usado para indicar tempo decorrido, o verbo fazer atua como um verbo impessoal, sem sujeito, sendo conjugado apenas na 3.ª pessoa do singular: faz três horas, faz cinco dias, faz duas semanas, faz dez meses, faz quatro anos,…

  • Faz dois anos que vim morar para Belém.
  • Já faz dois anos que eu te encontrei no shopping.

“Daqui há pouco”

A forma correta é daqui a pouco. A expressão daqui a indica algo que ainda não aconteceu, mas que começa agora, a partir deste momento e terá seguimento no futuro: daqui a pouco, daqui a nada, daqui a um ano, daqui a um mês, daqui a cinco dias,…

  • Ele chegará daqui a pouco.
  • Rápido, daqui a pouco já saio de casa!

A forma verbal há, do verbo haver, é usada para indicar tempo decorrido, algo que aconteceu no passado.

“Há dez anos atrás”

A forma mais correta é há dez anos. Embora frequentemente usada, inclusivamente por escritores renomados, esta expressão é considerada redundante. O advérbio atrás é desnecessário para indicar o passado, dado o verbo haver, conjugado como verbo impessoal, já indicar tempo decorrido.

  • Há dez anos nasceu meu filho mais velho.
  • Esta história aconteceu há dez anos.

“Sentar na mesa”

A forma correta é sentar à mesa. Embora seja possível sentar na mesa, ou seja, em cima da mesa, essa expressão é erradamente utilizada para indicar o ato de se sentar próximo da mesa, normalmente em cadeiras ou bancos.

  • Venham sentar à mesa para almoçar.
  • Meninos, lavem as mãos antes de sentar à mesa.

“Nada demais”

A forma correta é nada de mais. Essa expressão indica que nada fora do normal aconteceu, ou seja, que nada foi feito acima do que é considerado normal e habitual.

  • A apresentação da estagiária não foi nada de mais.
  • Ele não fez nada de mais, mas todos ficaram chateados.

“Afim de”

A forma correta é a fim de. Esta locução prepositiva é popularmente utilizada para indicar vontade e interesse em alguém ou alguma coisa. Pode ser usada também para indicar uma intenção ou finalidade.

  • Obrigada, mas não estou a fim de ir à praia.
  • Você sabia que o Danilo está a fim de você?
  • Você está dizendo isso a fim de me dissuadir. 

A palavra afim também existe, atuando como adjetivo ou substantivo. Indica algo que é semelhante e tem afinidade, não devendo ser seguido da preposição de.

“Meia cansada”

A forma correta é meio cansada. Nesta expressão, a palavra meio atua como um advérbio, sinônimo de um tanto, um pouco, não completamente. Sendo um advérbio, é invariável em gênero e número, mantendo-se sempre igual independentemente de se referir a uma palavra no feminino ou no plural.

  • Estou meio cansada da caminhada de ontem.
  • Estou meio cansada da rotina do dia a dia.

“De vez enquando”

A forma correta é de vez em quando. Esta locução adverbial de tempo indica que alguma coisa não ocorre com muita frequência, apenas ocasionalmente, de tempo em tempos. 

  • De vez em quando eu ainda penso nela.
  • Isso acontece apenas de vez em quando.

Expressões que quase todo mundo fala errado

Outras dúvidas

Veja também